dgnn

18 verdades cruéis sobre os relacionamentos modernos

1 – A pessoa que estiver menos interessada tem sempre mais poder. Ninguém quer ser aquele que está mais interessado.

2 – A nossa geração tem uma necessidade insuportável de se mostrar indiferente ou muito ocupado; pequenos jogos psicológicos como ‘intencionalmente demorar horas ou dias para responder’ irão acontecer, com frequência. Estes jogos não são divertidos.

3 – Uma pessoa despreocupada porque não tem interesse algum em ti parece-se exatamente com uma pessoa que está interessada em ti e te acha incrível, mas esforça-se para não ir com tanta sede ao pote. Vais precisar de muita sorte para decifrar com qual dos dois estás a lidar.

4 – A arte de fazer telefonemas está morta. O teu relacionamento tem maior probabilidade de acontecer através do facebook, whatsapp ou SMS, que são formas impessoais e individuais de interatividade. É melhor ires-te acostumando com a cartela de emoticons.

5 – Planos definidos estão mortos. As pessoas têm milhares de atualizações minuto a minuto do que os amigos estão ou vão fazer (ou de potenciais parceiros românticos), graças às redes sociais. Se tu não és a prioridade, o teu convite para sair pode ser respondido com um “talvez” ou “depois digo qualquer coisa” e o fator decisivo será a oferta mais divertida ou interessante.

6 – Alguém que te magoa não vai ter aquele bad karma automaticamente – ou pelo menos não num futuro imediato. Parece injusto, mas às vezes as pessoas que traem seguem o seu caminho alegremente e deixam a outra na lama.

7 – A única diferença entre as tuas ações serem vistas como românticas ou estranhas é, de facto, o quão atraente a outra pessoa acha que és. É isso, e só isso.

8 – “Vamos sair?” e “Queres fazer alguma coisa?” são frases vagas, mas que significam coisas como “Quero curtir contigo”. Provavelmente odeias receber este tipo de mensagens, mas hoje em dia, os convites são feitos assim e aparentemente será assim nos próximos tempos.

9 – Algumas pessoas realmente “só se querem divertir” e se tu estás à procura de mais do que sexo, elas não te vão avisar disso – pelo menos até terem feito sexo contigo. Enquanto a decência humana é o ideal, a honestidade geralmente não é obrigatória.

10 – A mensagem que enviaste realmente foi enviada. Se ela não foi respondida, não é porque tenha sido erro da operadora, do telemóvel, ou do facebook. A pessoa simplesmente não quis responder, ou nem se lembrou.

11 – A maioria das pessoas tem medo de compromissos e o teu relacionamento pode ficar sem rótulo de “namoro” por bastante tempo. Assim, sair com outras pessoas não é necessariamente “traição”, afinal de contas, vocês “estão-se a conhecer” e ainda não estão “juntos”.

12 – As redes sociais e aplicações criam novas plataformas e oferecem mais oportunidades para namoriscar. O envio de fotos e mensagens privadas não deve ser considerado como traição, mas certamente estes mecanismos aumentam as probabilidades de que uma possa acontecer.

13 – As redes sociais também dão a ilusão de múltiplas opções de parceiros românticos, o que faz com que as pessoas lidem com o Facebook mais como um ‘menu’ do que como uma plataforma para manter contato com amigos e família.

14 – Qualquer pessoa que se envolver romanticamente contigo pode acabar por ficar para sempre ou romper em algum momento. Estes dois conceitos, à primeira vista, são igualmente apavorantes.

15 – Se alguém estiver apaixonado por ti, em vez de expressar os sentimentos diretamente a ti, a pessoa pode colocar algo no Facebook, Instagram, com alguma música que lembre os dois. Apesar de não colocar o teu nome na mensagem, acredita, ela pode ter sido direcionada para ti.

16 – Muitas pessoas não respeitarão o teu “relacionamento sério” e ultrapassarão qualquer barreira ética se quiserem estar com a pessoa com quem tu estás.

17 – Se alguém acabar contigo, vai ser brutal. As pessoas cortam laços por SMS e assim evitam conversas pessoalmente, olhos lacrimejados e voz trémula.

18 – Não te assustes. Os relacionamentos podem ser duros mas também divertidos.

Texto de Christopher Hudspeth (tradução)

Deixa o teu comentário

Recomendado para ti...