frv

Estou numa fase da vida em que não preciso impressionar ninguém

Eu estou num ponto da minha vida onde não preciso de impressionar ninguém. Eu sou o que sou, não ligo para o que os outros pensam de mim. Eu não preciso de disfarces, não preciso enganar ou fingir. Porque posso ser quem eu realmente sou. Não tenho necessidade de rir e fazer as pessoas acreditarem que nunca choro. Eu não preciso ser sempre forte, nem sempre agradável. Eu não preciso ser igual a ninguém, e, sobretudo, aceito-me como sou. Com as minhas virtudes, mas também com os meus defeitos. Porque não posso ser perfeito, mas sou sempre eu. Aceito e amo quem eu sou e o que posso ser.

Nós não existimos para impressionar o mundo, mas para sermos felizes e realizados. Agora, há momentos nas nossas vidas nos quais temos de priorizar, pensar que vamos surpreender este ou aquele e que nos vão invejar ou admirar.

Há momentos em que queremos chamar a atenção e sermos o rei da festa. No entanto, passadas certas fases, o que realmente se torna importante para nós é viver as nossas vidas sem nos destacar dos demais, só para nós mesmos e para o nosso ambiente.

Alguém uma vez disse que é bom ter dinheiro para comprar as coisas que queremos, mas é melhor ainda ter as coisas que o dinheiro não pode comprar.

O que a vida te vai ensinando…

Algumas pessoas passam a vida a fazer coisas que odeiam, para conseguir o dinheiro que não precisam, para comprar coisas que não querem, para impressionar pessoas das quais não gostam.

Desconhecido.

Dizem que a vida vai ensinando “quem sim, quem não e quem nunca”.

Já nos decepcionamos muitas vezes, colocamos a nossa confiança em centenas de ocasiões e, bem, a verdade é que nem sempre obtivemos o resultado que esperávamos.

Assim, quando tu páras de esperar algo dos outros, começas a perceber que deves parar de te preocupares com o que os outros esperam de ti.

Este é o momento em que tu assumes o controlo dos teus desejos, orientas a tua vida, tomas iniciativas, não elogias os demais em excesso e partilhas as tuas opiniões livremente. Digamos que não é apenas o começo da tua liberdade emocional, mas também da tua identidade.


Porque é que nós não precisamos impressionar ninguém, a não ser a nós mesmos?

“As pessoas mais infelizes deste mundo são aquelas que se importam muito com o que os outros pensam.”

Nós não precisamos agradar a ninguém, a não ser a nós mesmos. E isso segue uma regra simples que todos podem entender: se tentarmos impressionar a todo o custo, vestimos uma capa que não é nossa. E se nós a vestimos, a nossa essência morre.

Cada um é único e excepcional. Nada e ninguém merece que escondamos o nosso verdadeiro eu, as nossas emoções e pensamentos. No entanto, também é verdade que tudo tem um limite, e tu não podes dizer ou fazer tudo o que vem à tua cabeça, tens que ter cuidado para não magoares os outros.

Quase todos chegamos àquele momento vital em que o que os outros pensam de nós não nos importa, porque percebemos que o que realmente importa somos nós.

No entanto, é paradoxal que uma pessoa confiante e despreocupada “com o que dizem” seja aquele que realmente deixa uma marca mais profunda nos outros. Digamos que alguém que serve a si mesmo torna-se uma pessoa mais pura, verdadeira e completa.

Em última análise, a única maneira de ser uma pessoa de aço inesquecível é não tentar impressionar a todo o custo. Ser natural e trabalhar nos nossos verdadeiros desejos é a chave para ser mais feliz.

Texto de Raquel Aldana (tradução)

Deixa o teu comentário

Recomendado para ti...