fsgvt

O problema de esperar.

Tu vives de esperar. Quando és criança, esperas crescer rápido, gostas de brincar, assistir desenhos animados na tv, gostas dos amigos da escola; mas não gostas muito de ter de tomar banho quando a tua mãe manda, de ter de parar a brincadeira para fazer os trabalhos de casa. A melhor solução para resolver esses problemas? Crescer. Tu pensas que quando fores “grande”, não terás de obedecer a essas ordens, pois a vida de adulto é cheia de liberdades.

Mas ser grande traz uma porção de obrigações que tu nem imaginavas e começas a esperar por outras coisas. Esperas por um emprego melhor, esperas por uma boa formação e esperas encontrar o amor da tua vida.

Envolves-te com alguém e pensas “esta é a tal pessoa”, mas as coisas não se desenrolam como imaginavas. Tu esperas que essa pessoa seja mais carinhosa, esperas que ela te dê mais atenção, esperas que ela seja sincera, esperas que ela tenha boas ambições na vida e que, dentro dessas ambições, uma delas seja formar uma família contigo.

Mas tu não pensas mais como uma criança, sabes que existe o lado bom e o lado mau de todas as coisas que desejas. Sim, tu sabes. Mas tal e qual como a criança que eras, tu não te importas tanto com o lado mau. Copo meio cheio, né?

Querendo ou não, vivemos de esperar e as expectativas só atrapalham tudo. A menos que estejamos numa depressão imensa, esperamos sempre coisas boas. Pensamos sempre nas melhores coisas possíveis, esperamos um final feliz de conto de fadas. Nem vou entrar no novo cliché “príncipes e princesas não existem”, a verdade é que tu sempre vais esperar pelo teu/tua.

O grande problema é que criamos expectativas sobre as acções de outra pessoa, e tudo aquilo que não está sob o nosso controlo muitas vezes não vai sair da forma que esperámos.

Tenta viver de forma leve, ambiciona coisas que tu mesmo possas fazer. Concentra-te naquilo que está sob o teu controlo e tenta compreender aquilo que não está.

Infelizmente, nem as pessoas nem a vida são como queremos. Nem nós mesmos somos exatamente da forma que gostaríamos de ser, não é mesmo?

Conheceste alguém, mas a vossa relação não está a atravessar a melhor fase e tu tens quase a certeza que a culpa não é tua? Muda aquilo que possas mudar, mas não esperes que a outra pessoa se comporte de um jeito ou de outro só porque tu desejarias que isso acontecesse, ou porque ela era assim quando se conheceram, ou porque os namorados e as namoradas dos teus amigos são diferentes do teu/tua.

Se tu amas uma pessoa o suficiente para aceitá-la da forma que ela é agora, aceita-a. Se mesmo depois das tuas tentativas, o comportamento dela te faz infeliz, prioriza a tua felicidade e sai disso. Sim, o amor é feito de persistência, mas o amor também é feito de felicidade. Tentar mudar outra pessoa só vai fazer os dois infelizes.

É fácil falar, eu sei. Eu mesmo sou um poço de expectativas. Mas tenho-me esforçado bastante para tirá-las da minha vida. Convido-te a tentar também!

Texto de Chaiene Morais

Deixa o teu comentário

Recomendado para ti...