uighg

Um brinde às mulheres diretas

Ela entra sem bater a porta e vai direto ao ponto: ou isto ou aquilo. Enquanto tu ficas dividido em cima do muro sem saber para que lado pular, ela dispensa os meio-termos: tem pavor de gente indecisa, de se esconder atrás de motivos, de venerar os rodeios. Se tu és labirinto, ela não brinca.

Ela caminha na tua direção e tu sabes que é ela porque tu tremes. Tu tremes mesmo que ela esteja de tenis ou com um salto agulha, daqueles gigantes, tremerias mesmo se ela estivesse descalça. Tu sentes peso e ela sente-se leve. Sente que tirou um peso grande das costas ou, se ainda não tirou, vai tirar em breve. A grande vantagem de ser direta é essa: não perder tempo com o que poderia ser. Ou é, ou não é. Não há 8 ou 80, e ela também não aceita um 40.

Há quem diga que a vida não é bem preto no preto e branco no branco, mas quem é que disse que tu precisas de definir as coisas assim? Ela é a prova viva de que tu podes colorir o mundo da forma que quiseres, desde que saibas como queres pintá-lo. E se ela depender de outra pessoa para o mundo dela ter cor, ela adianta-se e tira a prova dos nove sem deixar que alguém faça malabarismos com a vida dela. Porque mais tarde ou mais cedo o malabarismo cai, ela costuma dizer, e só quem pode equilibrar a sua vida é ela mesma.

Se ela gosta, ela liga no dia seguinte. Se ela gosta mais ainda, ela vai para a cama e ai dele (ou de ti) se a criticares por ser decidida. Se lhe lançarem um piropo e ela não quiser, ela diz na cara e, amigo, é melhor saíres porque estás a incomodar. E tu vais perceber se ela gostar de ti ou não porque ela vai dizer com todas as letras que te quer – ou que não quer, se for o caso. Há quem goste e quem não goste disso. Pessoalmente, eu acho incrível a forma como ela lida com as vontades e se põe em primeiro lugar. Mas quem sou eu para achar alguma coisa, se ela sabe que a dona do mundo dela é… ela própria.

Uma vez perguntaram-lhe o porquê da pressa e ela disse que não é pressa, é que as pessoas se acostumaram muito a dar voltas e mais voltas quando tudo o que a gente quer sempre esteve ali na nossa frente. E depois que ela aprendeu isso, ela deixou de se importar com o que pensariam ou com o que ela mesma julgaria errado. O importante era não perder tempo que poderia ser usado para ser um pouco mais feliz. E então ela foi. Foi em linha reta e dizem por aí que ela tem sido muito mais feliz do que era antes, quando ainda colocava os outros, a culpa e um monte de obstáculos à frente dela.

Texto de Daniel Bovolento

Deixa o teu comentário

Recomendado para ti...